Chuvas em São Paulo ameaçam o abastecimento de hortifrútis, dizem permissionários da Ceagesp

Volume de chuva na Capital é o segundo maior para fevereiro em 77 anos

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou nesta segunda-feira (10/2) 114 milímetros de precipitação na estação do Mirante de Santana, zona norte de São Paulo, o segundo maior volume de chuva para um mês de fevereiro em 77 anos. Diante dos transtornos causados pela forte chuva, a Defesa Civil recomendou que os paulistanos fiquem em casa.

Na Capital paulista, a chuva mais forte começou no final da tarde do domingo (9/2) e permanece firme nesta segunda-feira (10/2).

O entreposto da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), na Vila Leopoldina, na Capital, está debaixo d´água e não funciona hoje. Segundo permissionários, é grande o volume de produtos perdidos.

“O problema pode comprometer o fornecimento de hortifrutigranjeiros e pescados a feirantes, supermercados, quitandas, sacolões, peixarias e o varejo de alimentos em geral. Além da perda de mercadorias, muitas delas sob a água, a enchente no local bloqueia o trânsito e impede a entrada e saída de mercadorias”, avaliam permissionários.

Os permissionários afirmam que a situação caótica desta segunda-feira mostra o quanto é urgente São Paulo ter um novo entreposto.

A Ceagesp informou que “está tomando as medidas possíveis para retomar as atividades o mais rápido possível”, mas adiantou que, devido ao alagamento causado pelas chuvas, a comercialização de pescados e a feira de flores, que aconteceriam na próxima madrugada, terça-feira (11/2), no entreposto de São Paulo, estão canceladas.