Dia seguinte à aprovação do reajuste nos salários dos agentes políticos: a ressaca

O índice de reajuste foi de 5,35%

O Blog da Pimenta fez um “tour” pelas páginas dos vereadores de Indaiatuba, no Facebook, nesta terça-feira (28/3). Só não conseguiu visualizar o conteúdo do vereador Adeilson Pereira da Silva, o Figura (PP). Nas páginas dos demais parlamentares, nenhuma linha escrita por eles e nenhum post sobre a aprovação do reajuste de 5,35% nos próprios salários e nos salários do prefeito, vice-prefeito e secretários municipais foram encontrados (até às 14h40), apesar de terem sido questionados por eleitores. Parece até que o clima do dia seguinte da votação do projeto é de “ressaca”.

E não é para menos. Se a aprovação do projeto de reajuste pelos vereadores foi unânime (ou seja, aprovado com os 12 votos), a rejeição do resultado da votação entre a população não é diferente, principalmente neste momento em que o País enfrenta uma crise econômica histórica.

Pelos comentários postados no Facebook, é inegável que, entre os alvos das manifestações de protesto contra o reajuste nos salários dos agentes políticos, a bancada da Oposição, na Câmara, é o principal, já que os votos da Situação, digamos assim, “já eram esperados”, isso sem entrar nas justificativas, que são cabíveis, até por respeito à Democracia, e a população também precisa entender isso melhor.

Contudo, Oposição e Situação nunca discordaram desse tipo de projeto. O resultado de ontem é apenas uma repetição de anos anteriores. No ano passado foi assim, em 2015 também, e assim por diante na retrospectiva.

Todos os anos, o reajuste nos salários dos agentes políticos é aprovado junto com o dos servidores municipais e, normalmente, a pauta da votação somente é liberada no próprio dia.

Este ano, o Blog da Pimenta conseguiu confirmar e publicar a informação com antecedência.

A reportagem foi publicada pelo Blog da Pimenta, na última sexta-feira (24/3), com exclusividade.

A repercussão foi imediata.

Ontem (27/3), o público compareceu e lotou a Câmara durante a sessão, o que mostra que os tempos são outros, que a população acordou e que informação correta faz a diferença, na mobilização das pessoas.

Resta, ainda, a sensibilização dos políticos em relação à opinião pública, digo, opinião pública, não de “grupinhos” que defendem interesses próprios, como de cunho eleitoral. Até porque, de discurso de campanha, seja na rua ou no púlpito da Câmara, a população também já está cansada.

Sessão confusa

A votação dos projetos que autorizam reajuste de 5,35% nos salários do prefeito, vice-prefeito, secretários, vereadores e funcionários públicos municipais, pela Câmara de Vereadores de Indaiatuba, na noite de ontem (27/3), foi confusa até mesmo para quem está acostumado com os trâmites.

Como os pedidos de votação em regime de urgência especial (votação única) foram aprovados por unanimidade, os projetos dos reajustes tinham de ter sido os primeiros da pauta a serem deliberados, mas não foi o que aconteceu.

Primeiro, os vereadores votaram o projeto que limita a soltura de fogos na cidade. Até aí, tudo bem, já que a proposta também tramitava em regime de urgência.

Mas, depois, a votação dos demais projetos seguiu a ordem inicial da pauta, em vez de serem priorizadas as demais proposituras que receberam pedido de urgência especial.

Nenhum vereador contestou.

Muitas pessoas que estavam na plateia não conseguiram acompanhar o andamento da sessão, entender o que os vereadores diziam e, quando perceberam, os reajustes já tinham sido aprovados e a sessão encerrada...

Esse é o Entrelinhas!