Em dez dias, as mortes de pacientes com covid-19 aumentaram 100% em Indaiatuba

Os casos confirmados da doença triplicaram em cerca de um mês; prefeito e secretária da Saúde alertaram sobre avanço da contaminação em live

Por Patrícia Lisboa

Em transmissão ao vivo (live) pelo Facebook, na noite desta quarta-feira (13/5), o prefeito de Indaiatuba, Nilson Gaspar (MDB), e a secretária municipal de Saúde, Graziela Garcia, alertaram para o avanço da covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) no município. Do dia 2 a 11 deste mês – um período de dez dias – as mortes de pacientes com a covid-19 aumentam 100%. No momento, a cidade registra 12 óbitos.

“Eu quero chamar a atenção que a primeira morte foi registrada no dia 31 de março. Hoje (13/5), 43 dias depois, Indaiatuba já notifica 12 óbitos. Do dia 2 de maio a 11 de maio, houve um aumento de 100%. Praticamente, é uma morte a cada dois dias no nosso município, apesar de todos os nossos esforços”, alerta a secretária da Saúde. Ainda há quatro mortes suspeitas em investigação.

Graziela Garcia apresentou também o gráfico do crescimento dos casos confirmados de covid-19. No dia 31 de março, o município confirmou o primeiro caso. “Hoje (13/5), 43 dias depois, são 97 casos positivos. Do dia 14 de abril até hoje, o número de casos confirmados praticamente triplicou, de 31 para 95”, destacou a secretária. Ainda há 54 casos suspeitos que aguardam exames para confirmação ou não.

FATOR DE RISCO

A secretária explicou que, para que o município consiga ter o menor índice de mortalidade possível, são considerados três fatores principais: a testagem, a taxa de ocupação dos leitos disponíveis e, principalmente, o respeito das pessoas com relação ao distanciamento social, que caiu para 47%, na última terça-feira (12/5).

“A questão mais importante, que mais preocupa e que precisa ser levada em consideração, neste momento, é a taxa de isolamento social, além da gravidade da doença”, disse Graziela.

“Neste momento mais crítico, em que a curva da contaminação sobe, a taxa de isolamento social tem caído. Então, a gente quer chamar a atenção porque nenhum recurso basta, quando a taxa de isolamento não é respeitada”, frisou a secretária.

(Fonte: Secretaria de Saúde de Indaiatuba)