Entrelinhas - Greve dos Caminhoneiros

De onde o governo vai tirar o subsídio para manter o congelamento do diesel?

Eu, uma simples repórter de Indaiatuba, não pude ir à nenhuma das coletivas do governo nos últimos dias, mas, assistindo todas elas, ainda tenho várias perguntas, sem respostas. Mas, ouso, aqui, a lista-las e a respondê-las de acordo com a minha percepção pessoal:

1 – De onde o governo vai tirar o subsídio para manter o congelamento do diesel, que disse ser voltado aos caminhoneiros autônomos?

Não sairá do lucro das transportadoras contra as quais as suspeitas de locaute só aumentam (para dizer o mínimo e para esperar a finalização das investigações que dizem terem, enfim, iniciado), lembrando que o locaute é crime e visa apenas o lucro da própria empresa.

O subsídio também não sairá das volumosas verbas de gabinete dos políticos, embora o Congresso Nacional, por exemplo, só ‘funcione’, para quem AINDA não sabe, de terça a quinta-feira, e olhe lá.

Qualquer jeito que o governo der, o subsídio sairá do bolso do contribuinte comum, de quem mais depende de serviços públicos, da maioria pobre, do NOSSO BOLSO.

2 – A quem vai beneficiar o congelamento do diesel?

Sem dúvida, serão beneficiadas as transportadoras e os donos de carrões importados da Europa, movidos a diesel; e também os oportunistas que fazem cobrança de preços abusivos na venda de insumos de última necessidade como, combustíveis e alimentos.

Os caminhoneiros e os consumidores comuns, salvo comprovação contrária, vão ‘morrer na praia’ com os prejuízos da greve e dos desabastecimentos gerados por ela.

3 – O preço do frete, enfim, vai ficar mais barato para baratear também o preço dos produtos ao consumidor final?

Se baratear o frete, duvido que chegará ao consumidor final. E, além disso, há apenas promessa do governo nesse sentido.

4 – O governo tem proposta para baratear os altos preços da gasolina e do etanol, que afetam outros setores da economia e também o consumidor comum?

Isso nem se discute nesse momento.

5 – Por que a Petrobrás teve de modificar a política de preços de combustíveis?

Para evitar falência depois do rombo causado pela corrupção.

6 – Devemos apoiar o protesto dos caminhoneiros?

Sim, mas não como ‘massa de manobra’, mas para incluir nas reivindicações dessa mobilização nacional a moralidade no emprego das verbas públicas e, sobretudo, o fim da corrupção e a prisão de políticos corruptos.

7 – Como podemos contribuir com uma manifestação, de verdade?

Não comprando produtos com preços abusivos, deixando o carro em casa, participando de manifestações pacíficas, acompanhando a política nacional, estadual e, sobretudo, municipal; se informando sobre os pré-candidatos às eleições e votando conscientemente, sem vender o voto por favores pessoais, ou seja, cobrando e praticando moralidade em todos os atos do dia a dia.