Entrelinhas: Gaspar e Ganem ainda não se manifestaram sobre sentença da Justiça Eleitoral

E mais: Câmara aprova projeto de lei que concede título de cidadão indaiatubano a Ganem

Sessão da Câmara

A Câmara de Vereadores de Indaiatuba retomou as sessões ordinárias ontem (7/8), após o período de recesso, em julho. Como nas sessões anteriores, o que predominou na pauta foi o grande número de indicações, que são sugestões ao Executivo. No total, foram 95. A maioria sugere intervenções para melhorar o trânsito e a mobilidade urbana, como implantação de lombadas, semáforos; rebaixamento de guias, entre outros.  Mas, o atendimento das indicações dos vereadores pela Prefeitura depende de disponibilidade financeira e, sendo assim, não é algo fácil. Só no primeiro semestre deste ano, a Administração Municipal arrecadou, em impostos, R$ 7,5 milhões a menos do que o esperado, reflexo da desaceleração da economia do País.

Homenagem

O projeto de lei mais comentado entre os vereadores foi o que concede título de cidadão indaiatubano ao ex-vereador e presidente do diretório municipal do Partido Verde (PV), Bruno Ganem, que acompanhou a sessão, pela primeira vez, ontem, após o término do seu mandato, no ano passado, quando também perdeu a disputa para o cargo de prefeito de Indaiatuba. O projeto, de autoria do vereador Alexandre Peres (SD), foi aprovado por unanimidade. “O Bruno pode não ter tido o meu voto, mas tem o meu respeito”, comentou o líder do governo, o vereador Luiz Alberto Pereira, o Cebolinha (PMDB).

Ação extinta

Ontem mesmo, quando teve aprovado o projeto que lhe concede homenagem, o ex-vereador Bruno teve a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), que moveu para pedir a cassação do mandato do prefeito Nilson Gaspar (PMDB), extinta pela Justiça Eleitoral. Questionado pelo Blog da Pimenta durante a sessão, Bruno não quis comentar a decisão judicial. Ele alegou que, primeiro, tinha de consultar seu advogado sobre "o segredo de justiça do caso". Os questionamentos feitos pelo Blog, por escrito, hoje (8/8), como sobre a “ilicitude de prova” apresentada na ação, como considerou o juiz eleitoral, Sérgio Fernandes, ainda não foram respondidos pelo político. O prefeito Gaspar também não comentou o assunto até o momento. Aguardamos!

Sem repercussão

A sentença judicial favorável ao prefeito Gaspar não teve nenhuma repercussão na Câmara ontem, pelo menos durante a sessão. O vereador Jorge Luís Lepinsk (PMDB), que também foi réu na ação extinta, que conteve acusações de supostos abusos de poderes econômico, político e religioso, apenas comentou que foi absolvido. Sem mais.

Pontos facultativos

O Ministério Público apurou que funcionários da Administração Municipal não compensavam as horas de trabalho pelos dias não trabalhos em razão da decretação de pontos facultativos, que são aqueles quando feriados são emendados. A informação foi dada ao Blog pelo prefeito. Segundo ele, além de compensar os dias não trabalhados por causa de ponto facultativo, será instalado um relógio de ponto digital para registrar os horários de entrada e saída de todos os servidores. Gaspar disse que quer implantar, na Prefeitura, o jeito empresarial de administrar, com “mais rigor”.