Gaspar promete rigor na fiscalização do Plano SP e cancela a volta às aulas neste mês

Medidas são tomadas com o agravamento da pandemia de covid-19, em Indaiatuba; hoje, 21 pessoas estão na fila de espera por leito para internação no Haoc

Por Patrícia Lisboa

Com o agravamento dos índices da covid-19, o prefeito de Indaiatuba, Nilson Gaspar (MDB), em transmissão ao vivo, na noite desta terça-feira (1º/6), prometeu maior rigor na fiscalização para o cumprimento das normas do Plano São Paulo, com o fechamento do comércio, às 21h, e combate às festas e aglomerações, a partir desta quarta-feira (2/6), véspera do feriado prolongado de Corpus Christi, que começa na quinta (3/6). A volta às aulas, que estava prevista para a próxima segunda-feira (7/6), foi adiada para 2 de agosto.

A secretária municipal de Saúde, Graziela Garcia, participou do pronunciamento e informou que, além das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para pacientes com covid-19 estarem 100% ocupadas, hoje, 21 pessoas com sintomas de síndrome respiratória estão na fila de espera para a internação, no Hospital Augusto de Oliveira Camargo (Haoc), único que atende pelo SUS, em Indaiatuba.

Além da ocupação máxima dos leitos para a covid-19 no município, a secretária municipal de Saúde informou que, há cerca de 60 dias, não há leitos disponíveis para a contratação na rede particular da região.

“A situação é caótica, não só em Indaiatuba, mas em toda a Região Metropolitana de Campinas. Chegou num ponto que não tem mais médicos, não tem mais enfermeiros, estamos com poucas pessoas para trabalhar porque os próprios profissionais da saúde estão adoecendo e isso está causando uma dificuldade muito grande no atendimento. Só hoje foram 300 atendimentos pela telemedicina, fora as pessoas que estão, agora, na porta da UPA e na porta do Hospital Augusto de Oliveira Camargo (à espera de atendimento). As pessoas estão esperando três, quatro horas para serem atendidas porque a demanda está muito grande”, afirmou o prefeito.

E há mais dados alarmantes: a cidade ainda tem mais de dois mil casos suspeitos de covid, hoje, em análise. Por causa do alto número, a secretária municipal de Saúde afirma que não é possível fazer um monitoramento de todas essas pessoas, para certificação de que elas estão isoladas, conforme orientação médica.

O prefeito revelou, inclusive, o conhecimento do caso de uma pessoa infectada pelo novo coronavírus, que causa a covid-19, e que foi vista circulando nas ruas e em estabelecimentos comerciais. Porém, Gaspar disse que não tem como provar o caso, mas, alertou que esse tipo de atitude é crime contra a saúde pública.

No pronunciamento de hoje, o prefeito usou um tom mais duro ao anunciar as medidas para o enfrentamento da covid, em Indaiatuba, e afirmou que o problema da disseminação do vírus “está nas baladas, nas festas clandestinas e nos bares, onde há pessoas se aglomerando”. Há bares, inclusive, excedendo o horário de funcionamento, o que será combatido, segundo Gaspar, com uma fiscalização “mais enérgica”, a partir desta quarta-feira. O respeito ao limite de até 40% da capacidade para atendimento presencial também será fiscalizado nos estabelecimentos.

A recomendação é para que as pessoas respeitam o toque de recolher, das 21h às 5h. "Fique em casa", frisou Gaspar.

“Tem que se cuidar porque o risco de uma pessoa morrer na porta do hospital, sem atendimento, começou a bater aqui na nossa porta de Indaiatuba. E isso acontece na região toda. As pessoas não estão mais acreditando que a doença está aí, que podem ser infectadas e que podem morrer”, observou o prefeito.

Do pronunciamento de hoje, além do prefeito e da secretária municipal da Saúde, também participaram os secretários municipais da Educação, Heleno da Silva Luiz Junior, e das Relações Institucionais e Comunicação, Graziela Milani.

FISCALIZAÇÃO

OS NÚMEROS DA COVID-19

Nas últimas 24 horas, não houve registro de óbito por covid-19, em Indaiatuba. Mas, nesta terça-feira, a cidade confirmou mais 91 novos casos da doença.

Desde o início da pandemia, 21.789 pessoas contraíram a covid-19, em Indaiatuba, e 561 morreram. O total de curados ou em recuperação domiciliar é de 21.130 pessoas. Hoje, há 2.005 casos suspeitos em análise.

INTERNAÇÕES

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, há 113 pessoas com sintomas de síndrome respiratória internadas nas alas para a covid-19, no sistema de saúde de Indaiatuba, sendo que 98 delas já têm diagnóstico confirmado para a doença.

Do total de internados, 71 estão em leitos de enfermarias e 42 estão em leitos das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

As UTIs do Haoc e do Hospital Santa Ignês têm ocupação máxima. Os leitos alugados para pacientes do SUS fora da cidade também estão 100% ocupados hoje.

VACINA

A Secretaria de Saúde de Indaiatuba aplicou a primeira dose da vacina contra a covid-19 em 58.035 pessoas e 28.204 também receberam a segunda dose.

CUIDADOS

A Secretaria Municipal de Saúde orienta a pessoa que apresentar qualquer sintoma de contaminação pelo coronavírus, que procure o atendimento on-line Minha Saúde Covid-19. O acesso é pelo site da Prefeitura.

Dúvidas podem ser esclarecidas pelo WhatsApp (19) 9779-3856.

Os cuidados preventivos não podem ser esquecidos: usar a máscara ao sair de casa, manter o distanciamento social, evitar aglomerações e higienizar as mãos frequentemente.