Indaiatuba passa a contar com testes rápidos para o diagnóstico da dengue

Também foram adquiridos outros materiais que auxiliam no controle do mosquito transmissor da doença

A Prefeitura de Indaiatuba, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, acaba de adquirir três mil testes rápidos de dengue, que auxiliam no diagnóstico sorológico da doença.

Segundo a Pasta, trata-se de uma importante ferramenta para direcionar as ações de campo para o controle do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

Os testes fazem a determinação de IgG/IgM anti-vírus da dengue por método imunocromatográfico contra os quatro sorotipos do vírus.

O exame é usado para comprovar a presença ou ausência de anticorpos relacionados ao vírus transmitido pelo Aedes aegypti no sangue do paciente.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, os testes são para todos os casos suspeitos de dengue, com coleta de material a partir do quinto dia de aparecimento dos sintomas como, náuseas, vômitos, exantema, mialgias, cefaléia, dor retroorbital, petéquias ou prova do laço positiva e leucopenia.

Ainda de acordo com a Pasta, todas as unidades básicas de saúde irão coletar o material para o teste rápido. O resultado sai no mesmo dia.

RECURSOS

A aquisição dos exames foi feita com recursos financeiros do Fundocamp, vinculado à Agência Metropolitana de Campinas (Agencamp) e integra o projeto Combate às Arboviroses: Dengue, Chikungunya e Zika, na Região Metropolitana de Campinas (RMC).

Elaborado pelas Secretarias de Saúde dos Municípios de Campinas, Indaiatuba e Santa Bárbara d’Oeste, o projeto, aprovado em 2018 e deliberado pelo Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Campinas, previa a aquisição de diversos materiais com vistas a permitir novas ações de combate aos agentes transmissores da dengue e demais arboviroses urbanas, diminuindo o número de casos e óbitos em toda a RMC.

“Este projeto constitui uma parceria de grande importância não só para Indaiatuba como também para os demais municípios da RMC, pois com esse apoio da Agemcamp fizemos a aquisição de equipamentos importantes que agregam de forma substancial aos trabalhos técnicos de vigilância e controle da dengue, que são realizados durante todo o ano, mas com mais atenção entre os meses de janeiro a maio, quando tradicionalmente temos aumento dos casos”, explicou a secretária de Saúde de Indaiatuba, Graziela Garcia.

Com os recursos provenientes do Fundocamp, desde o início deste ano, a Secretaria Municipal de Saúde adquiriu 300 mil panfletos com orientações sobre prevenção para população nas ações de vistorias prediais, eventos educacionais e distribuição nas unidades educacionais e de saúde; 1.500 bags utilizados para adequação de ambientes com materiais recicláveis que estão causando riscos de proliferação de mosquitos; 1.460 telas mosquiteiro para regularizar as caixas d’água sem tampa; 300 unidades de testes rápidos NS1 para dengue e cinco equipamentos de inspeção visual remota, que auxilia na verificação de criadouros em locais altos, como calhas e lajes.

CASOS

Em Indaiatuba, a pandemia de covid-19 não interferiu nas ações de controle da dengue, que permanecem sendo realizadas em toda a cidade de maneira contínua.

De janeiro até esta quarta-feira (24/6), a cidade 163 casos confirmados de dengue, sendo 149 autóctones e 14 importados. Há 31 casos notificados aguardando o resultado dos exames.

Sempre que um caso de dengue é confirmado são desencadeadas medidas visando interromper a transmissão com a atividade de bloqueio de criadouros, por meio da visita a imóveis situados num raio delimitado de 150m metros, tendo como centro o caso identificado positivo.