Morte de casal por covid-19 gera revolta contra conduta de igreja

O Blog da Pimenta recebeu vídeos de um dos líderes da instituição religiosa; num deles ele trata a questão sobre o uso da máscara como "frescurite"

Por Patrícia Lisboa

A notícia da morte de um casal de Indaiatuba publicada pelo Blog da Pimenta, na segunda-feira (18/5), provocou reações de pessoas que se disseram “revoltadas” por causa da suspeita de que a mulher tenha se contaminado pelo novo coronavírus (que causa a covid-19) durante os encontros na igreja que frequentava e passado a doença para o marido. Em apenas cinco dias, os dois morreram. 

As vítimas foram seo Manoel Rosa da Silva, de 74 anos e dona Jadilce Bastista da Silva, de 77 anos. Seo Manoel morreu no dia 10 de maio. No dia 15 de maio, dona Jadilce também não resistiu à doença.

A Secretaria da Saúde de Indaiatuba confirmou a morte do casal por covid-19.

A filha do casal, a dona de casa Cibele Batista da Silva dos Santos, de 39 anos, contou que os pais não acreditavam muito na gravidade do novo coronavírus e que quase não usaram máscara para sair.

“Meu pai dizia que não ia ficar parado. Minha mãe ia ao supermercado e continuou frequentando a igreja de terça, quinta e domingo. Meu pai não ia à igreja. Só minha mãe. Ela não perdia um dia”, revelou Cibele. Eles também costumavam fazer caminhadas no Parque Ecológico. 

Dona Jadilce ficou doente primeiro. Depois, foi o marido.

Cibele e sua irmã, a atleta Crisiane Batista da Silva, de 43 anos, ainda muito abaladas com a perda dos pais, contaram que muitas pessoas que conheciam a mãe suspeitam que ela adquiriu a covid-19 na igreja, embora não seja possível afirmar.

“Mas, as igrejas precisam fechar durante essa pandemia e as pessoas que frequentam precisam acordar também”, alertou Cristiane.

Uma pessoa que frequentava a mesma igreja e que prefere não se identificar, em áudio enviado para o Blog, diz que dona Jadilce esteve um dia na igreja com febre e que uma outra pessoa percebeu e disse que ela não deveria estar ali.

A resposta de dona Jadilce teria sido que, “enquanto a igreja estivesse aberta, tinha que estar nos cultos”.

Uma ex-frequentadora da igreja encaminhou um áudio no qual um homem, que seria da direção da instituição religiosa, incentiva os fiéis a irem à igreja como demonstração de “fé”.

“Quem tiver com medo não venha, mas os que têm coragem, têm fé, vamos pro culto”, diz o homem, no áudio. “Daí, todos os velhinhos, com medo de ser chamados de sem fé, foram à igreja. Olha a irresponsabilidade”, ressaltou a ex-frequentadora da igreja.

“FRESCURITE”

Um leitor também encaminhou um vídeo, no qual um dos líderes da igreja trata a questão sobre o uso de máscara como “frescurite”.

Ele diz: “Vamos deixar isso esclarecido, para acabar com essa frescurite. Deus me perdoe falar assim, eu fico com raiva, Deus me perdoe. Então, eu vou deixar bem claro isso, aqui, quem quiser vir com máscara vem, quem não quiser, não tem problema”.

PASTOR COM COVID-19

Uma das pessoas que reagiram contra a conduta da igreja também informou que o pastor da unidade que a dona Jadilce frequentava está com covid-19. A direção da igreja afirmou que o pastor está com “dengue”.

A reportagem localizou o filho do pastor, que confirmou o resultado positivo para a infecção pelo novo coronavírus. Ele disse que o pai está isolado, em casa, mas não informou mais detalhes.

A INSTITUIÇÃO RELIGIOSA

A direção da igreja que dona Jadilce frequentava afirma que funciona de acordo com as recomendações do Ministério da Saúde, para evitar a contaminação pela covid-19, com 30% da capacidade, sem aglomerações, e que disponibiliza álcool gel e faz a medição de temperatura para identificar eventual febre nos frequentadores.

Para idosos e pessoas com comorbidades, a orientação da direção é para que não frequente a igreja, neste momento.

Uma das frequentadoras da igreja informou, no entanto, que não há medidor de temperatura e que álcool gel só foi disponibilizado na entrada da igreja, a partir do último domingo (17/5), após a morte do casal.

GOVERNO

A Prefeitura, por sua vez, já havia se posicionado com a seguinte nota:

“O Governo Federal incluiu culto como atividade essencial. O que não pode ocorrer é aglomeração e quanto a isso, a Prefeitura tem orientado e notificado as igrejas no município. Além disso, a Administração Municipal solicita e conta com a colaboração da população para que todos os cuidados de higiene e sanitários sejam seguidos e respeitados.”

OUTROS LOCAIS

Os supermercados são estabelecimentos considerados essenciais e, por isso, funcionam normalmente na quarentena, mas devem cumprir regras de higiene, para evitar a contaminação pelo novo coronavírus, que causa a covid-19.

As caminhadas no Parque Ecológico não são proibidas, mas a orientação da Prefeitura e das autoridades da Saúde é para que as pessoas fiquem em casa, para evitar a disseminação da doença e, se for necessário sair, é preciso usar máscara.

A quarentena segue até o dia 31 deste mês, em todo o Estado de São Paulo.