60+: À moda antiga, praça é ponto de encontro para turma de amigos

Encontros são diários e pessoal só vai embora na "hora do remédio"

Por Mariana Corrér

Indaiatuba cresceu, está com praticamente 250 mil habitantes, mas alguns hábitos de cidade pequena do interior se perpetuam. Em mais esta reportagem da nossa série especial sobre envelhecimento, vamos ver que um grupo de amigos se reúnem diariamente na Praça Prudente de Moraes para conversar e dar boas risadas.

Os encontros são pela manhã e o horário de ir embora, como eles mesmos dizem, é a hora do remédio. Todos ali já passaram dos 60, alguns recentemente, outros nem tanto. Assim, os remédios, pelo menos aquele comprimido para o colesterol, já fazem parte da rotina.

Ainda assim, os cerca de dez amigos se encontram por volta das 9h30 ou 10h, em um dos bancos da Praça, próximo ao Coreto. Aliás, mais bancos é uma das reivindicações.

Para eles, as manhãs são como terapia. É lá que eles falam de várias coisas, compartilham suas rotinas, debatem política e, principalmente, futebol. “No Blog vocês vão falar daquele pênalti roubado de ontem”, perguntou um deles durante a entrevista. “Dependendo da rodada do fim de semana, o assunto muda a semana inteira”, justificou o outro.

É nesse clima informal e superdivertido que eles criam suas próprias pautas e riem delas próprias. No dia em que a Reportagem passou a manhã com eles, eles estavam, entre idas e vindas, chegadas e partidas, em sete pessoas. “E o grupo é fechado, não entra mais ninguém”, brincou mais um dos amigos, mesmo sabendo que toda nova conversa é sempre bem-vinda.

Todos eles moram na região central e vão a pé para Praça. Em dias nublados ou com chuva, o encontro acaba se autocancelando por motivos óbvios.

Todos são aposentados e, fora dali, as rotinas variam, cada um tem sua preferência e suas atividades diárias. Perguntados sobre as condições que Indaiatuba oferece aos idosos, eles foram unânimes: são ótimas.

Algumas reclamações com calçadas e falta de acessibilidade surgiram, mas, de maneira geral, os elogios prevaleceram [reforçando o que já vimos anteriormente na série]. “Aqui tem muita opção de esporte e lazer, tem as academias nas praças, tem esportes para terceira idade, academia no Ginásio de Esportes, tem muita coisa”, comentou um dos mais jovens.

O mesmo vale para cultura e entretenimento. “Sempre tem show gratuito e apresentações em um monte de lugar, e eu vou em todos”, garantiu o outro, já passado dos 70 e que tem os fins de semana recheados de diversão.

De segunda a sexta, assim como os outros amigos, o compromisso segue no banco da praça.

No dia em que a Reportagem estava lá, os presentes que ficaram a maior parte do tempo – pois muitos chegaram depois e alguns foram tomar remédio antes – foram: João Genuário, 68 anos; Sérgio Marciano, 81 anos; Júlio Oliveira, 66 anos; Alberto Amadeu Ferrari, o Zoca, 71 anos; Carlos Gazzola, 79 anos; João Bastos, 69 anos; e Luiz Carlos, 66 anos.

OPÇÕES DE ENTRETENIMENTO

Além de opções “caseiras” e de soluções de entretenimento simples como a do grupo da Praça Prudente de Moraes, o público 60+ conta com diversas opções públicas e gratuitas para lazer e outras atividades.

O Fundo Social de Solidariedade (Funssol) realiza várias ações e reúne dezenas de grupos da Terceira Idade. Cada um deles tem sua própria programação e atividades que incluem bailes, aulas e viagens.

Além disso, alguns programas do próprio Funssol geram opções para esse público, como o Projeto Vida Feliz, responsável pela realização do concurso de Miss e Mister Terceira Idade da cidade, por exemplo.

OS BANCOS

Para que todos os amigos curtam as manhãs mais confortavelmente, eles sugeriram que fossem colocados mais bancos uns ao lado dos outros, na Praça Prudente de Moraes. A Reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Serviços Urbanos, que informou que existe um padrão de paisagismo no local e, por isso, os bancos estão nos locais atuais. No entanto, o secretário de comprometeu em verificar o que pode ser feito neste caso para atender aos pedidos.